Você sabia? Festa de São Gonçalo do Amarante

>, Ensino Fundamental I, Ensino Fundamental II, Notícias, Segmento>Você sabia? Festa de São Gonçalo do Amarante

#Vocêsabia?

Festa de São Gonçalo do Amarante

 

No período de 08 a 22, a paróquia de São Gonçalo do Amarante, em Itapissuma, realiza a 157ª festa do santo padroeiro do município. Neste ano, o tema da festa é “Com a intercessão de São Gonçalo, sejamos defensores da dignidade e da vida”. A programação será iniciada segunda, 08/01 (08h30), com a levada da imagem do santo padroeiro, partindo em procissão motorizada (carros), da igreja matriz, em Itapissuma, em direção à Capela de São Paulo Apóstolo, no Forte Orange, Ilha de Itamaracá. O dia de São Gonçalo de Amarante é comemorado em 10 de janeiro e em Itapissuma a festa religiosa acontece desde 1861, contando com as tradicionais levada e buscada da imagem do santo, além de novenário, procissão e celebração das Santas Missas. O santo português costuma ser invocado por aqueles que procuram por um bom casamento, devido ao seu zelo e aconselhamento pela juventude em relação ao matrimônio, no período em que viveu. Segundo o pároco, Padre Ivan Maciel, um dos momentos mais expressivos da festa é a buscada de São Gonçalo, que reúne na procissão marítima embarcações de diversos portes: desde pequenas baiteiras (embarcações usadas por pescadores), passando por catamarãs, jangadas, barcos de pesca, lanchas e até jet-skis.
A buscada acontecerá no dia 15/01 (15h), partindo do Forte Orange, na Ilha de Itamaracá, em direção a Itapissuma. No dia do encerramento da festa, 22/01 (17h), o bispo-auxiliar da Arquidiocese de Olinda e Recife, Dom Antônio Tourinho Neto presidirá na igreja matriz a Solene Missa e acompanhará a procissão de São Gonçalo. 

História de São Gonçalo – Nascido Gonçalo Pereira, em Portugal, no ano de 1200, era filho de pais nobres. Foi ordenado ainda jovem como sacerdote na Diocese de Braga e foi nomeado pároco da abadia de São Paio de Riba-Vizela. Depois de alguns anos como pároco, decidiu, como peregrino andante, visitar Santiago de Compostela, Roma e a Terra Santa. Após 14 anos de peregrinações, voltou a Portugal, tornou-se ermitão e construiu uma capela dedicada a Nossa Senhora, num lugar ermo, junto ao rio Tâmega, local onde hoje se encontra a cidade de Amarante, não deixando porem, de exercer suas funções sacerdotais junto a população das redondezas. Em orações, Nossa Senhora lhe apareceu e o aconselhou a tomar o habito de São Domingos. Imediatamente dirigiu-se para Guimarães, ali fez o noviciado, e, após solene profissão, pediu ao prior para voltar ao eremitério de Amarante, onde com o auxílio de um companheiro dominicano, prosseguiu sua vida evangélica caritativa.
Em Amarante, o rio Tâmega era muito perigoso, principalmente durante as cheias do inverno, o que dificultava a vida dos moradores e paroquianos. Frei Gonçalo resolveu edificar uma ponte, conforme local indicado por um anjo, sempre contando com a graça de Deus e com o trabalho dos moradores da região. Esta obra foi considerada, em sua época, algo impossível. Frei Gonçalo foi o arquiteto desta obra, na qual empregou o melhor de seus esforços. Por este feito, foi eleito o padroeiro dos engenheiros. Num determinado momento de penúria da região, elevou seus olhos a Deus e traçando o sinal da cruz sobre as águas do rio o milagre aconteceu, e uma enorme quantidade de peixes apareceu para saciar a fome de todos por muitos dias. Segundo a tradição, Frei Gonçalo era muito alegre, tocava viola e sua alegria era contagiante. Promovia festas familiares com danças e modas de viola. Vestia-se com roupas dos camponeses e operários da época. Através de seus bailes familiares, impediu que as jovens fossem trabalhar nos prostíbulos da região para sobreviver, e assim todas conseguiam bons casamentos. Frei Gonçalo sempre promoveu o encontro de jovens, preparando-os para o matrimonio e mostrando a riqueza da santificação na vida conjugal.
Frei Gonçalo, o notável santo Português, morreu a 10 de janeiro de 1259, no seu humilde leito de palha do eremitério. Foi beatificado pelo Papa Júlio III em 1561 e canonizado por Clemente XI. É invocado em Portugal e também aqui no Brasil, como padroeiro das mulheres que desejam um bom casamento.

Fonte: Arquidiocese de Olinda e Recife